:travel: Veneza

Quatro dias em Veneza, um casamento, muitas exposições e alguns spritz depois…

A cidade logo logo foi aparecendo naquele ritmo constante do trem, ainda era manhã e sabia que estava chegando em uma cidade única, mesmo com um grupo de americanas insistindo em comentar que aqui era igual a França, “a lot of old stuff!” elas falavam uma para as outras.

Descobri que se perder em Veneza é a graça do lugar, e que achar uma lua cheia entre os canais foi só o começo de muitas surpresas.

Um Bellini no Café Florian e a noite começou bem.

Hoje temos o casamento e ainda estou sem roupa para a ocasião, vou na casa da Peggy Guggenheim p ver se me inspiro.

Casamento é igual em qualquer lugar, mentira!!! Em Veneza parece mesmo que o amor se propaga em cada parede, em cada fragmento de vidro.

Foi na Chiesa dei Tolentini, as 5 horas deste sabádo que os sinos da igreja anunciavam que Carlota e Sebastian estavam casados.

Minutos depois, um Vaporeto levava os convidados para uma ilha não muito distante dali. Chapéus aos ventos e logo chegamos onde tudo parecia ainda mais romântico. 

Casamento que, mesmo antes de servir o jantar a pista de dança já está completamente tomada e animada, era de se imaginar que a noite iria ser longa . Italians do it better.

Nada nos emocionou mais que a exposição da Punta della Dogana, Espaço recheado pela a coleção de François Pinault, graças o consumismo desenfreado de nós mulheres, o espaço tem um acervo absurdo que deixou a própria Bienal de Veneza no chinelo.

Não andamos de gôndola porque estas não param na frente do Harry’s Bar. Lugar preferido do casal, até o momento foram os melhores drinks da viagem , especialmente o Bellini. 

Sentamos no bar e lá ficamos umas boas horas, vendo o movimento das mesas e o passar de pratos que enchiam o salão de sabor. 

Notes

  1. thelushness posted this

Loading posts...